sábado, 31 de maio de 2008

História da EFMM.

A construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré é um feito épico. Por cinco décadas, desde as primeiras idéias até sua conclusão em 1912, milhares de pessoas enfrentaram o ignoto, as doenças, o medo e a morte. Estimam-se em mais de 5.000 as mortes por moléstias tropicais desconhecidas, ataques de índios e de animais selvagens, acidentes, desaparecimentos na mata, etc... entre aqueles diretamente envolvidos em sua construção. Aqui, nossas homenagens e preito de gratidão a esses bravos, nossos antepassados na conquista e ocupação da Amazônia.

As origens.

As lutas pela independência na América Espanhola e, posteriormente, guerras localizadas pela posse de regiões de contestado, resultaram na perda do acesso direto ao oceano Pacífico por parte da Bolívia. Assim, desde meados do século XIX a idéia de alcançar o Atl&acircntico pelos rios Madeira e Amazonas era cultivada naquele país, como forma de estabelecer uma rota sólida para a comercialização de suas riquezas, em particular a borracha. O grande impecilho à navegação nesta rota estava no trecho encachoeirado do rio Madeira - um trecho de cerca de 300km entre o rio Mamoré e Santo Antonio do Madeira. Desde cedo surgiram propostas de construção de uma ferrovia que transpusesse esse trecho, margeando-o.

Para o Brasil, essa era também uma solução conveniente, pois abriria nova rota de acesso ao Mato Grosso, até então feito quase exclusivamente pela bacia do Prata, navegando o rio Paraguai. A "Guerra do Paraguai" se encarregou de tornar evidente ao governo imperial brasileiro toda a importância política e estatégica de nova ligação, desta vez navegando os rios Madeira, Mamoré e Guaporé.



As primeiras tentativas

Após vários estudos e propostas, no início da década de 1870, foram feitas as primeiras tentativas de construção de uma ferrovia que atendesse àqueles objetivos
Em 01 de março de 1871 o coronel norte-americano George Earl Church, de posse de concessões dos governos boliviano e brasileiro, constituiu a Madeira & Mamoré Railway Company Limited e contratou a empresa britânica Public Works Construction Company para executar a obra.

O primeiro grupo de engenheiros chegou a Santo Antonio do Madeira, nada mais que um pequeno aglomerado de casebres, em 06 de julho de 1872. Poucos dias depois, os primeiros carregamentos de materiais de construção, equipamentos e operários, trazidos de navio desde os Estados Unidos da América chegaram ao local.
A Public Works abandonou o canteiro de obras um ano depois, sem conseguir assentar um único metro de trilhos. Em 09 de julho de 1873, a PWCC entrou na justiça britânica com um pedido de rescisão de contrato e de indenização, alegando entre outras razões "condições sub-humanas na região". Basicamente, a MMRC e a PWCC foram derrotadas pelo desconhecimento da região e o mau planejamento (até pelo desconhecimento) da obra.

Os grandes problemas enfrentados pela empreteira foram:
a) a insalubridade e as doenças, imprevistas e muitas vezes desconhecidas.
b) os ataques de indígenas, que defendiam suas terras milenares, de invasores que os ignoravam.
c) a conclusão de que os custos da obra seriam bem maiores que o dobro do originalmente previsto.
d) a constatação de que a ferrovia teria extensão significativamente maior que a esperada, uma das principais causas do aumento dos custos.

Durante a batalha jurídica que se seguiu, Church ainda contratou duas outras empreiteiras, num esforço quase desesperado para realizar sua obra.

I) Dorsay & Caldwell, construtora americana, assumiu o compromisso de construir 15km de linha, sem receber pagamento, enquanto corria a lide no foro londrino. Assinou contrato em 17 de setembro de 1873. O primeiro, e pequeno, grupo de trabalhadores chegou ao local da obra em janeiro de 1874. A comitiva retornou poucos dias depois aos EUA, após a primeira morte por doença.

II) Em 19 de fevereiro de 1878, a firma norte-americana P & T Collins desembarcou em Santo Antonio com mais de 700 toneladas de cargas para dar andamento aos trabalhos. A construção teve início em meio às já conhecidas dificuldades. Até maio de 1879, os resultados obtidos a custos da ordem de 500.000 dólares foram:
- 108 km de projeto definitivo locados,
- 40 km de faixa desmatada,
- 11km de terraplenagem prontos
- 9 pontilhões de madeira medindo 443m no total,
- nenhum km de ferrovia.

Em 04 de julho de 1878, comemorando o "Independence Day", a data nacional norte- americana, a primeira locomotiva a trafegar na Amazônia andou num trecho de 3km de extensão, dos quais apenas 800m eram definitivos. Era a conhecida Coronel Church - a máquina 12, que pode ser vista no Museu da E.F.M.M.

Pelas mesmas razões da Public Works, em 19 de agosto de 1879, a P & T Collins paralizou oficialmente as obras da ferrovia.


O declínio da ferrovia

Ao tempo em que a obra da estrada de ferro se concluia, os seringais plantados na Malásia entraram em produção, e tornaram proibitivos os preços da borracha produzida na Amazônia segundo técnicas antiquadas e de baixa produtividade. Foi o fim do chamado "primeiro ciclo da borracha".

Já em 30/jun/1931, como consequência de seguidos prejuízos, resultantes basicamente do declínio do comércio da borracha com os produtores da Amazônia, e da ausência de novos produtos a transportar, a Madeira-Mamoré Railway Company paralizou o tráfego. Decorridos dez dias de prazo contratual, sem que a Companhia retomasse as operações, em 10/jul/1931, através do Decreto Nº 20.200, o Governo Federal assumiu o controle total da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, passando a administrá-la. Durante todo o restante período de operações a ferrovia operou com prejuízos.

Em 01/jul/1972, após a conclusão da ligação rodoviária entre Porto Velho e Guajará Mirim, a ferrovia foi definitivamente desativada. O pequeno trecho de 7km, entre Porto Velho e Santo Antonio do Madeira (onde não existe mais a pequena vila do início do século) voltou ao tráfego em 05/mai/1981 para fins turísticos. Atualmente o trecho reativado alcança o quilometro 25, local de uma antiga vila de ferroviários, na altura do Salto do Teotônio, a maior das cachoeiras do Madeira.


O Real Forte do Príncipe da Beira.

O Real Forte do Príncipe da Beira, na margem direita do rio Guaporé, fronteira natural entre o Brasil e a Bolívia, é o mais antigo monumento histórico de Rondônia. Sua construção foi iniciada em 2 de junho de 1776 pelo engenheiro Domingos Samboceti, que faleceu de malária durante a obra; e concluída em 20 de agosto de 1783 pelo capitão engenheiro Ricardo Franco de Almeida e Serra.

Sua construção teve o objetivo de consolidar a posse da coroa portuguêsa sobre as terras à margem direita dos rios Guaporé e Mamoré, no extremo noroeste do Brasil. Localiza-se há mais de 3.000km do litoral, em ponto ainda hoje de difícil acesso, e em pleno coração da grande floresta Amazônica. Suas coordenadas geográficas são: 12° 25' 47'' de latitude sul, 21° 17' 20'' de longitude oeste, e a altitude 220m.

Ao início da obra, disse dela o Governador da Província de Mato Grosso Luis Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, em junho de 1776: " A soberania e o respeito de Portugal impõem que neste lugar se erga um forte, e isso é obra e serviço dos homens de El-Rei, nosso Senhor e, como tal, por mais duro, por mais difícil e por mais trabalho que dê,... é serviço de Portugal. E tem de se cumprir. "

A ata da cerimônia de lançamento consagra os quatro baluartes que teria a fortificação a Nossa Senhora da Conceição e Santa Bárbara, adjacentes ao rio; a Santo Antonio de Pádua e Santo André Avelino, os que corresponderiam aos anteriores, nesta ordem, voltados para a floresta.

O Forte é um quadrado com 970m de perímetro, muralhas de 10m de altura e seus quatro baluartes são armados, cada um, com quatorze canhoneiras, construído de acordo com o sistema Vaubam. No entorno, um profundo fosso somente permitia ingresso através de ponte elevadiça que conduzia a um portão com 3m de altura, aberto na muralha norte. No interior haviam quatorze residências para o comandante e os oficiais, além de capela, armazém e depósitos.

Uma lápide à entrada do Forte diz, em latim:
"Sendo José I, Rei fidelíssimo de Portugal e do Brasil, Luis Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, por escolha da Majestade Real, Governador e Capitão Geral desta vastíssima Província de Mato Grosso, planejou para ser construída a sólida fundação desta fortaleza com o Augustíssimo nome do Príncipe da Beira com o consentimento daquele Rei fidelíssimo e colocou a primeira pedra no dia 20 de junho do ano de Cristo de 1776. ...".

Apenas para deixar evidente os imensos sacrifícios exigidos para sua construção: quatro de seus canhões, de bronze e calibre 24, enviados de Belém do Pará em 1825, através do rio Tapajós, levaram cinco anos para alcançar seu destino.
O Forte dista 375km da cidade de Guajará Mirim, e 1.145km, em linha reta, de Manaus.

Foi abandonado em 1889, já na República, e permaneceu em absoluto abandono cerca de 40 anos, sendo saqueado e invadido pela floresta. Em 1914 foi reencontrado pelo então Major Rondon, que retornou em 1930 e construiu as instalações da unidade militar que acantonou ao lado das ruínas.

Na masmorra sombria do velho Forte, com janelas de grossas grades, e argolas cravadas na parede, ainda se lê, gravadas nas paredes (respeitando a ortografia dos autores):

  • No dia 18 de Set. pelas 2 da tarde tremeo a terra 1852.

  • A Deus ingrata prizão
    De ti me despesso obriozo
    Tendo suportado gostozo
    Em ti a mais dura aflição (ass Juvino)

  • "Nesta triste e Horrorosa prisão
    Vive o pobre e Enfeliz Pacheco
    Com groça e comprida corrente ao pescoço.
    Mato Groço me prendeo
    A Fortaleza me cativou
    Preso e cativo estou
    De quem tanto me favoreceo
    Grande satisfação tevi
    Quando em liberdade
    Agradecer a boa vontade
    Com que alguns senhores
    Me fazem seus favores
    Nesta minha advercidade
    Neste desterro desgraçado
    Em que a çorte me lançou
    muito agradecido estou
    a tropa e o povo honrado
    agradecido e obrigado
    as esmolas que me teem feito
    Capitão Cunha em meu peito
    o teu nome tenho gravado
    e nele conservado
    ca ahonde do Brasil
    o reino principia
    provincia de Mato Groço
    assim chamada
    nesta abobada imunda inabitada
    noite e dia
    com groça e comprida
    corrente fria
    tem seu colar
    no pescoço pendurada
    com dois mantos
    escolhidos e emprestados
    pelos maiores
    quena terra havia"
    (obs: nada se sabe da sorte do infeliz Pacheco)

O Forte foi tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 30 / Nov / 1937.

BR-29(364) história. Parte 1

A construção da BR-29 (BR-364), tanto quanto da EFMM, é um feito épico. E de efeitos muito mais visíveis e duradouros para a vida dos povos do antigo Guaporé. Entre as muitas resoluções que mudaram o Brasil para melhor, o presidente decidiu em 02/fev/1960, em meio à uma reunião com os governadores dos estados do norte, construir a BR-29 ligando Cuiabá (MT) a Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC), abrindo o oeste brasileiro. Foi uma decisão corajosa, que quebrou o isolamento desta região, integrando-a de fato ao resto do país.

As informações aqui reproduzidas foram, em sua maioria, obtidas em O Outro Braço da Cruz, de, Governador de Rondônia à época da construção, e o principal responsável pela decisão do Presidente.

As fotos dos trabalhos foram cedidas pelo engenheiro Uchôa, chefe da Comissão Especial de Construção da BR-29, a quem esta região muito deve pela vontade e empenho que dedicou à obra.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Cervejas e seus tipos. Uma visão geral sobre cervejas.


Imagem

Sucesso total não é verdade?


Sim, você, que ama uma cerveja e está agora, neste momento, querendo consumir todas da imagem acima, este post é feito para você.
Farei um resumo, uma passada por alguns tipos de cervejas, desde as melhores, até as piores. vocês entenderão essas “piores” mais abaixo. Relaxe.

Cerveja Pilsen

Imagem

Essa é das antigas


Começo pela mais tradicional e mais consumida nesse país que você vive, o Brasil, caso você não o conheça ou está bêbado o bastante para não lembrar dele. Isso é normal, relaxe.
A denominação Pilsener ou Pilsen é oriunda da cidade de Pils, que fica na República Tcheca, futura moradia de nosso camarada TresDê.
A cerveja Pilsen, criada em 1842, apresenta aquela cor clara e dourada que vocês já conhecem e brilhante. Caso ela esteja em outra tonalidade ou cor, verifique se não é urina. É produzida pelo processo de fermentação profunda, com teor alcoólico baixo, entre 3 e 5%, infelizmente.
Hoje, aproximadamente 60% das cervejas e chopps produzidos no mundo são deste tipo. No Brasil, o consumo de cerveja Pilsen representa 98% do mercado. Também pudera, clima agradável, calor e tudo mais.

Cerveja Bock

Imagem

Que friiiio.


Gosto muito de chopp preto, talvez por isso que eu goste tanto de cervejas bock. São cervejas mais fortes e encorpadas e geralmente são escuras e de grande aceitação. Classificado como uma cerveja de fermentação profunda, de processo lento ou Larger. É muito boa para tomar em climas mais frios e agradáveis.

Cerveja Stout

Imagem

A Stout brasileira


Originária da Irlanda, produzida a partir de cevada torrada, que produz um malte especial (escuro) e possui um sabor amargo conferido pelo lúpulo associado ao adocicado do malte. É uma cerveja de fermentação superficial e seu teor alcoólico é alto (5 a 6,5%), em relação as cervejas tradicionais. Possui também elevado teor de extrato primitivo, cerca de 15%.

Cerveja Ice

Imagem

Essa sim é gelada


Esta é uma cerveja relativamente nova digamos assim. Foi criada no Canadá em 1993, cuja fabricação envolve o processo “ice process”. Também pudera, Canadá é frio pra cacete, então não poderia ser de outra forma.
Após a fermentação do mosto, este é submetido em temperatura inferior a zero grau, que transformam a água em finos cristais de gelo que são posteriormente retirados, produzindo assim uma cerveja mais forte e refrescante.

Cerveja sem álcool

Imagem

Tira isso daqui pelo amor de Deus.


Essa é a pior, que tinha dito no início do post. E recuso a falar sobre este tipo de cerveja que nem deveria existir.

Chope ou Chopp

Imagem

Com certeza os melhores chopps do Brasil.


Praticamente o mesmo processo da fabricação da cerveja, entretanto, não passa pelo processo de pasteurização. Mas relaxe, que cerveja não leva pastel este é somente um processo seguido, onde aquecem a cerveja numa temperatura altíssima.
Pelo fato de não terem sido pasteurizado, as leveduras remanescentes ainda estão presentes, assim, o prazo de validade é muito reduzido, em torno de 10 a 15 dias. Então vamos beber logo issoantes que estrague por favor.

Finalizando…

Não importa o tipo, modo de preparo, mas cerveja é sempre bom, principalmente na praia, num sol escaldante, num churrasco com seus amigos, seja lá onde for.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Disco de Boot Para Todos os Windows.

Imagem

Agora em um único CD, com apenas 32Mb, você pode inicializar TODOS os Windows lançados até o momento antes do Vista, ferramenta obrigatória não só para técnicos, mas também todos os usuários do Windows, baixe... um dia você vai precisar!

Confira os 22 boots para Windows:
01-Bootdisk Essentials
02-Bootdisk for MS-DOS V5.00
03-Bootdisk for MS-DOS V6.00
04-Bootdisk for MS-DOS V6.20
05-Bootdisk for MS-DOS V6.21
06-Bootdisk for MS-DOS V6.22
07-Bootdisk for Win98SE (MS-DOS V7.10)
08-Bootdisk for Windows 95a
09-Bootdisk for Windows 95b
10-Bootdisk for Windows 98 Custom No Ramdrive
11-Bootdisk for Windows 98 Second Edition
12-Bootdisk for Windows 98 Second Edition Custom No Ramdrive
13-Bootdisk for Windows 2000 Advanced Server
14-Bootdisk for Windows 2000 Professional
15-Bootdisk for Windows 2000 Server
16-Bootdisk for Windows Millenium
17-Bootdisk for Windows Millenium Custom No Ramdrive
18-Bootdisk for Windows NT 4.0 Server
19-Bootdisk for Windows NT 4.0 Terminal Server Edition
20-Bootdisk for Windows NT 4.0 Workstation
21-Bootdisk for Windows XP Custom Install Disk
22-Bootdisk for Windows XP System Setup Disk

http://rapidshare.com/files/108715892/Bootdisk.For.All.rar

Especial Homem de Ferro: História, Armaduras, Inimigos, etc.

Homem de Ferro é um dos personagens clássicos da Marvel, embora nunca tenha tido tanto sucesso como os X-Men e o Homem Aranha, ele é um dos principais heróis da editora. Ele fez sua primeira aparição na revista Tales of Suspense#39 de 1963 criado por Stan Lee e Don Heck.

No começo o Homem de Ferro representava o conflito entre americanos e comunistas (notadamente a maioria de seus vilões eram russos ou chineses) e tinham um tom exagerado de propaganda política. Com o tempo o herói se tornou mais maleável, humano e suas histórias ganharam outros contornos. Contudo ainda hoje o personagem é retratado como um estandarte da ideologia americana, muito mais do que o Capitão América às vezes.

Neste especial de Sala da Justiça daremos um panorama geral sobre o herói, sua história, amigos, inimigos, armaduras e até sugestões de leitura e do que você deve passar longe, muito longe.

Imagem

HISTÓRIA

A Criação da Armadura

Na primeira versão de sua origem, o jovem milionário e inventor Anthony Edward Stark viaja para um campo de testes no Vietnã para supervisionar a produção das armas que sua empresa está criando para as tropas do Tio Sam. (mais tarde a Marvel atualizaria esta história para a Guerra do Golfo e depois ainda para a do Afeganistão, o que foi muito criticado pelos fãs, já que provocou grandes complicações na cronologia do herói).

Stark acidentalmente cai numa armadilha explosiva que o deixa gravemente ferido e com estilhaços muito próximos de seu coração. Ele é capturado pelos vietcongues e levado até o líder Wong Chu que avisa ao americano que lhe restam apenas alguns dias de vida e que caso ele construa uma arma poderosa para o ditador, ele será operado e salvo.

Tony finge aceitar o trato, e secretamente começa a trabalhar em algo que o mantivesse vivo e permitisse derrotar o ditador comunista. Na prisão ele conhece um outro gênio, o professor Yin Sen. Stark revela seu plano ao cientista e este o ajuda a construir a armadura que garantirá sua fuga dali e um exoesqueleto que salvará sua vida.

Mas Wong Chu acaba desconfiando das intenções de Stark e manda seus homens para investigá-lo no exato momento em que Tony tenta energizar a armadura para que ela funcione. Para impedir que os inimigos entrassem na sala e interrompessem o processo de ativação, o velho professor tenta barrá-los para ganhar algum tempo sendo fuzilado pelos capangas de Wong. Contudo seu sacrifício deu tempo suficiente para que Stark se recuperasse e se acostumasse a usar a estranha e pesada armadura cinza que haviam criado.

Como o Homem de Ferro, Stark enfrenta os inimigos e os derrota facilmente, assim ele foge para a selva e consegue a ajuda do piloto americano Jim Rhodey para voltar aos EUA.

Imagem

De volta ao lar…

De volta ao lar Stark percebe que precisará continuar a usar o exoesqueleto para permanecer vivo e decide também que dali em diante atuará como o Homem de Ferro para combater o crime, desenvolvendo uma nova e mais avançada versão da armadura: a clássica amarela e dourada Mark 2.

Stark inicia então sua vida dupla, entre os afazeres como executivo e como Homem de Ferro. Vale lembrar que neste começo de carreira ninguém sabe que Stark é o Ferroso, para o público o Latinha é apenas um guarda costas de identidade desconhecida do industrial.

No início Stark enfrenta super vilões que eram em sua mairoria representantes da “ameaça” comunista tais como Wong Chu, Dínamo Escarlate, O Homem de Titânio e o próprio Mandarim que a princípio representava o comunismo chinês. Ele também se vê em maus lençois com aqueles que desejam usurpar sua tecnologia e riqueza como seu primo Morgan Stark e os bandidos Chicote Negro e Derretedor.

Tony é caracterizado neste primeiro momento, como um homem patriota, idealista e honrado que apesar de nutrir um grande amor por sua secretária Pepper Potts, tenta evitá-la por saber que pode morrer a qualquer momento caso o implante metálico que o mantem vivo falhe. O que acaba gerando um triângulo amoroso visto que um de seus empregados e amigos Happy Hogan também nutre sentimentos não correspondidos por Pepper. O triângulo só se resolve quando Pepper acaba se esquecendo de Tony e se casa com Happy.

O latinha acaba se consolidando como um grande herói e passa a fazer parte dos Vingadores, onde ele passa mais tarde a trabalhar lado a lado com dois personagens que primeiramente haviam aparecido como vilões em suas histórias solo, Víuva Negra e Gavião Arqueiro.

Ao longo dos anos Stark vai produzindo versões cada vez mais avançadas de sua armadura, partindo de um grande e desajeitado enlatado transistorizado até versões com nanotecnologia.

Imagem

Um novo Homem de Ferro

Eventualmente o maniqueísmo e o enredo do herói patriota contra os comunas tornar-se desgastado (A Guerra do Vietnã fez com que a visão simplista da Guerra Fria começasse a perder terreno nos gibis) e o Homem de Ferro sofre mudanças em suas HQs. Tony começa a se preocupar com a questão moral por detrás da produção de armas e pára de fábrica-las para o Tio Sam, as histórias ganham um cunho humanista típico do pós-Vietnã.

Tony acaba por receber um transplante de coração que o cura dos problemas cardíacos.

Surgem novos vilões como Madame Máscara, que acaba por desenvolver um relacionamento de amor e ódio com o herói e sujeitos loucos e mesquinhos como o Controlador e o Espião Mestre.

Alcoolismo

Tony Stark com o passar dos anos acaba descobrindo que o seu pior inimigo é o álcool. Os exageros de anos começam a cobrar seu preço. Chega-se a um ponto em que a empresa de Stark sofre a ameaça de falir, enquanto o herói mal consegue se manter sóbrio, eventualmente Tony consegue manter o controle sobre si mesmo e seus negócios.

No entanto, o vício permanece e numa segunda crise o Homem de Ferro chega ao fundo do poço, seus bens são congelados, ele é afastado do controle de sua empresa e a maioria de suas armaduras é destruída num ataque criminoso. Sem saber o herói está sendo manipulado pelo industrial europeu Obadiah Stane que pretende tomar tudo o que pertence a Stark.

Imagem

Reerguendo-se

Sabendo da condição de Stark e conhecendo o segredo do Homem de Ferro. Jim Rhodey, que havia abandonado o exército para trabalhar nas Stark International, assume o manto do Latinha enquanto seu patrão se recupera.

Durante um certo tempo Rhodey é o Homem de Lata, mas a armadura não havia sido calibrada e preparada para operar de acordo com a frequência cerebral de Jim, o qual acaba tendo dores de cabeças constantes e surtos psicóticos. Quando Stark se recupera do alcoolismo acaba tendo que vestir uma versão alternativa do traje para parar seu amigo ensandecido.

Paralelamente a isto, Tony inicia uma nova empresa a Cicuitus Maximus e começa a ter grande sucesso com ela. Obadiah Stane enciumada bombardeia a sede da empresa ferindo Jim e matando um amigo de Stark. Buscando Vingança Tony parte no encalço de Obadiah.

Ocorre uma terrível batalha entre eles, já que os engenheiros de Stane haviam projetado para ele uma armadura similar a de Tony, transformando-o no vilão Monge de Ferro. No fim Stark vence e Obadiah comete suicídio.

Percebendo que ele jamais ficaria completamente curado do alcoolismo, mas que não podia deixar que a tecnologia do Homem de Ferro caísse em mãos erradas, Tony decide continuar a ser o Gladiador Dourado.

Guerra das Armaduras

Tony deseja recuperar o controle sobre sua velha empresa e acaba descobrindo que um vilão conhecido como Espião Mestre roubou segredos tecnológicos da Stark International e os revendeu para um velho empresário rival de Stark, Justin Hammer, o qual passou a munir super criminosos com produtos e inventos de Tony.

Revoltado por ver que suas criações estavam sendo usadas para o crime, Stark decide que irá eliminar qualquer vestígio de inventos seus que estejam nas mãos de bandidos. Ele primeiramente libera um vírus devastador nos computadores das empresas de Hammer, em seguida começa a caçar todos os vilões que usam trajes ou armamento baseados em sua tecnologia, até mesmo os soldados do governo americano que usam equipamento projetado por Stark tornam-se alvos.

Suas ações contra o próprio estado e a morte acidental do segundo Homem de Titânio por suas mãos, acabam por fazer que os EUA declarem o Homem de Ferro um criminoso foragido. Até mesmo os Vingadores ficam contra o Latinha e por um tempo ele se afasta deles.

Temendo a publicidade negativa, Tony encena a dispensa de serviço do Homem de Ferro, mas a perseguição governamental acaba lhe obrigando a forjar a morte do Vingador Dourado, que tomba num ataque feito por forças militares.

A partir daí o público passa crer que o velho Homem de Ferro está morto e que Tony Stark contratou um novo. Nesta nova fase Tony constrói uma armadura mais avançada que a anterior com uma nova tecnologia que não havia sido roubada pelo Espião Mestre.

Imagem

Paraplégico

Algum tempo depois, uma ex-namorada de Stark com sérios distúrbios mentais atira em Tony, que sofre graves danos em sua coluna, correndo o risco de nunca mais andar. Tony continua, no entanto, a atuar como Homem de Ferro, já que o traje lhe permite andar.

Stark acaba recebendo um implante cirúrgico de um chip que faz com que ele readiquira seus movimentos, mas descobre-se que o implante está sendo rejeitado pelo seu organismo e que está provocando uma lenta degeneração celular que culminará em sua morte.

A situação se agrava quando um inimigo lança em Tony um tecnovírus que o deixa perto de um coma. Stark recebe um longo tratamento especial e todos pensam que ele está morto, até mesmo seu amigo Rhodey. Mais tarde ele se recupera mas continua a ter que enfrentar problema com inimigos e até mesmo super heróis que foram lesados pelas decisões de Obadiah durante o período em que este comandou a Stark International. Incapaz de vestir o traje, Tony utiliza uma tecnologia chamada de “telepresença” que lhe permite manejar o traje a distância, embora o controle não tenha precisão absoluta, ele consegue resolver seus problemas.

Stark acaba também tendo um desentendimento com Jim Rhodey que havia ficado no comando das coisas enquanto seus chefe encontrava-se “morto”. Jim acaba abandonando a empresa, mas Stark não deseja que perder o amigo e dá a ele uma versão da armadura intitulada Máquina de Guerra. Com esta armadura variante Jim resolve fazer parte dos Vingadores da Costa Oeste.

Illuminati

Com o passar dos anos, Stark percebeu que as ameaças e forças em jogo na terra eram inúmeras e que seria necessário um esforço e planejamento conjunto para impedir que o planeta mergulhasse no caos. É neste momento que ele se une ao Sr. Fantástico, Dr. Estranho, Professor X, Namor e Raio Negro e cria os Illuminati, cujo objetivo seria definir estratégias e ações para a comunidade super-humana, inicialmente o plano de Stark era que eles agissem como “policiais” dessas ações, mas devido as diferenças filosóficas entre os participantes não foi possível adotar tal postura.

Imagem

Guerra Civil

Já tendo sua identidade conhecida pelo público, Stark foi contatado pelo governo para que desse sua opinião a respeito do Ato de Registro, uma lei que previa que todo super ser deveria atuar em conformidade com as normas federais e que deveria revelar sua identidade para o estado. No princípio o herói se posiciona contra a lei, mas quando a atividade inconsequente de um grupo de jovens super heróis provocam uma tragédia em massa na cidade de Stamford, Stark passa a apoiar o registro.

Essa nova conjuntura dissolve as boas relações entre muitos heróis, Tony contata seus companheiros do Illuminati e apenas o Sr. Fantástico permanece ao seu lado, o grupo é então desfeito.

Inicia-se uma batalha entre os próprios heróis de uma lado os pró registro chefiados pelo Homem de Ferro e do outro temos os que estão contra o registro liderados pelo Capitão América.

A batalha assume proporções calamitosas quando no centro de Nova York os heróis se confrontam, percebendo a falta de sentido em toda aquela guerra, o Capitão se rende e os pró registro vencem.

Tony é agora o líder da SHIELD e inicia uma nova era criando um novo grupo de Vingadores sob sua chefia e a chamada Iniciativa que é a criação de um grupo de heróis registrados para proteger cada estado americano.

Tempos depois Stark acaba assumindo que ele é o Homem de Ferro e até mesmo as forças armadas americanas reclamaram para si modelos antigos da armadura do Homem de Ferro, sob a desculpa de que ela não haviam sido patenteadas

Imagem

ALIADOS E AMIGOS

Dentre os aliados, amigos e amantes principais do Latinha temos:

Pepper Pots era secretária de Tony e nutria um grande amor pelo herói, contudo seu chefe apesar de sentir o mesmo a evitava (pois naquela época ele ainda sofria do coração e poderia morrer a qualquer momento), durante um longo período ela se vê divididade entre Tony e Happy, mas o comportamento distante de Stark acaba fazendo com que ela se case com Happy.

Imagem

Happy Hogan é um ex boxeador chofer de Tony, ele um grande companheiro de seu chefe e no começo morria de amores pela mesma mulher que seu chefe, Pepper Potts. Happy é a primeira pessoa que descobre que o Homem de Ferro e Tony são a mesma pessoa.

Imagem

Bethany Cabe é uma guarda costas que namorou Stark por um tempo, mas o relacionamento dos dois acabou esfriando por conta do alcoolismo de Tony, eventualmente ela acabou abandonando Stark e retornando para o seu antigo marido

Imagem

Rumiko Fujikawa é a filha do homem que comprou a Stark Enterprises no período em que Tony andava desaparecido, ela começa a namorá-lo inicialmente para contrariar seu pai. O relacionamento do dois é cheios de altos e baixos pela moça acreditar que Tony pensa mais nos negócios do que nela. A moça acaba traindo Stark e é descoberta pelo herói, cheia de remorso ela dá a Stark ações da empresa comprada por seu pai que vão garantir que Tony volte a ter importância nas decisões da companhia. Mais tarde a moça morre vítima do ataque de um falso Homem de Ferro.

Imagem

Máquina de Guerra (Jim Rhodey) O melhor amigo e confidente de Stark, Jim Rhodey, além de auxiliar seu chefe e vestir a armadura do Homem de Ferro por algumas vezes, acabou ganhando sua própria versão do traje. O herói iniciou então uma carreira solo e fez parte dos Vingadores da Costa Oeste por um curto período de tempo.

Imagem

INIMIGOS

O Homem de Ferro careceu durante muito tempo de grandes vilões, de modo que demorou para que muitos dos seus inimigos ganhassem uma personalidade marcante. Aqui vão os principais:

* Mandarim

O Mandarim filho de um poderoso nobre China pré revolucionária, que dizia ser um descendente direto de Gengis Khan, e uma nobre inglesa. Seus pais morreram e ele foi criado por uma tia, desde jovem ele demonstrou interesse pela ciência e pelo ocultismo chinês e estudou em grandes universidades do mundo. Na idade adulta ele se tornou um alto oficial de governo, um Mandarim, e passou a ser conhecido por todo o país.

Pórem essa vida de riqueza teve um fim quando a revolução comunista explodiu na China, ele perdeu tudo e desolado partiu numa viagem para um lugar ermo e evitado por todos o “Vale dos Espíritos”, seu objetivo era descobrir se havia algo de verdadeiro nas lendas que afirmavam que havia um grande poder no deserto. Ele acabou encontrando o esqueleto e a nave de Axonn-Karr, um dragão inteligente oriundo do planeta Maklu IV, que viera à Terra séculos antes. Durante os anos seguintes, o Mandarim estudou e dominou a ciência makluniana além de encontrar os 10 anéis de poder que o tornaram suficientemente forte para desafiar seu país e o mundo.

O primeiro confronto do Mandarim com o Ferroso se deu quando o vilão tentou roubar mísseis projetados por Tony Stark, a partir daí se sucederiam os combates entre os dois.

Um dos embates mais terríveis entre os dois se deu quando o Mandarim se uniu a um feiticeiro chinês chamado Chen Hsu que o levou até o Vale dos Espíritos na China para despertar um antigo e poderoso dragão Fing Fang Foom. Com o controle sobre a fera, o Mandarim passa a ameaçar o governo chinês e a reclamar para si metade do território do país.

O Homem de Ferro viaja até lá para detê-lo, enquanto o Vingador Dourado e o chinês doido se digladiam é revelado que existem mais oito dragões na região. Na verdade eles são aliens do planeta Maklu que caíram há milhares de anos na terra e que aguardavam o momento de despertar o retomar o que era seu por direito, os anéis de poder do Mandarim.

Percebendo que os dragões eram uma ameaça maior Homem de Ferro e seu arquiinimigo se aliam para vencer as feras, eles obtem a vitória, mas o vilão tem suas mãos vaporizadas e os anéis destruídos.

No entanto, como muitas vezes já aconteceu, o Mandarim conseguiu retornar no futuro para mais uma vez atormentar o Latinha.

PODERES:

Além de ser um exímio lutador marcial, o Mandarim conta com o auxílio de seus poderosos 10 anéis, que contam cada um com uma habilidade especial: gelo, controle mental, fogo, eletricidade, raios lasers, explosões de impacto, reestruturação de matéria inorgânica, raio desintegrador, levitação e manipulação das trevas e sombras.

Imagem

* Madame Máscara

Madame Máscara é a filha de um notório criminoso europeu o Conde Nefária e líder da organização criminosa internacional conhecida como MAGGIA. Ela tem esse nome por causa da máscara dourada que ela usou durante muito tempo para esconder seu rosto deformado (mais tarde ela conseguiria repará-lo).

Máscara e o Latinha se conheceram quando ela trabalhava para o vilão Midas que pretendia tomar a fortuna de Stark e por isso o sequestrou, no cativeiro Tony descobre a tragédia que a Madame esconde e se apieda dela. Diante da reação de afeição de Stark, ela o ajuda a escapar do vilão.

Algum tempo depois a Madame Máscara assume a identidade de Krissy Longfellow e atua secretamente como secretária de Stark, por não conseguir esquecê-lo. Quando os dois descobrem os segredos um do outro, eles se apaixonam e iniciam um namoro.

Contudo quando o vilão Nefária ressurge, a Madame Máscara se vê dividida entre o amor por Tony e por seu pai, no fim ela acaba optando por permanecer ao lado do vilão e rompe com o Homem de Ferro.

PODERES: A Madame Máscara não tem nenhuma habilidade sobre humana, mas conta com grandes habilidades de luta, ela usa uma ampla variedade de armas e conta com o auxílio de seus asseclas da MAGGIA.

Imagem

* Monge de Ferro (Obadiah Stane)

O pai de Obadiah Stane era um alcoólatra perturbado que se matou jogando roleta russa na sua frente. A experiência o traumatizou de tal modo que além de perder todos os cabelos ainda na infância, Obadiah criou a ilusão em sua mente de que a vida era um grande jogo mortífero, o qual diferentemente de seu pai ele desejava vencer.
Desde a infância, Stane percebeu que a melhor maneira de vencer seus oponentes, mesmo aqueles intecetual e fisicamente superiores, era descobrir suas fraquezas e usá-las contra eles. Chantagem e assassinato se tornariam suas maiores armas para vencer aqueles que ele considerava seus oponentes. Aliás, foi através de chantagem que Stane tomou controle da primeira empresa na qual trabalhou, se tornando um milionário aos 25 anos. A princípio, ele fabricava munições, vendendo-as para qualquer cliente que lhe oferecesse um bom preço. A maioria de seus clientes se constituía de ditadores do terceiro mundo. O capital gerado pelas vendas fez com que sua empresa logo se tornasse uma multinacional.

Já com um renome internacional na indústria de armas, ele tentou formar uma organização com empresários do setor, especialmente aqueles localizados na Europa e no Oriente. A proposta de Stane seria usar o poder de fogo de todos eles para combater leis antitruste e até mesmo usurpar o poder dos chefes de estados de algumas nações. Anthony Stark estava nessa reunião e conseguiu atrapalhar os planos de Stane. Começaria aí a grande rivalidade dos dois homens.

Logo de cara, Stane descobriu que Stark era um alcoólatra em fase de recuperação e usou isso contra ele. Primeiro, contratou uma série de espiões industriais para atuar dentro da Stark Internacional, dentre eles uma mulher cujo objetivo era seduzir Stark. Além disso, ele e seus aliados conseguiram tomar da Stark diversos contratos de fornecimento de armas e os seguranças de Stane – os Chessmen, um bando de mercenários equipados com armaduras tecnológicas – realizaram diversos ataques contra os aliados de Stark. Quando a mulher contratada por Stane rejeitou a afeição de Tony – como planejado desde o começo – ele voltou a beber como antes, o que foi o primeiro passo para que Stane conseguisse o controle operacional da Stark Internacional, agora Stane Internacional.

Eventualmente, Stark se recuperou, abriu uma nova firma – que viria se tornar a Stark Enterprises – e, como era de se esperar, foi atacado por Stane diversas vezes. Em uma das últimas, Stark reagiu e invadiu a Stane como Homem de Ferro. Naquela altura Stane já sabia que Tony era o Homem de Ferro e se preparou para recebê-lo, usando a armadura do Monge de Ferro. O confronto terminou com a vitória do Vingador Dourado. Derrotado, Stane apontou um repulsor para a própria cabeça, aparentemente cometendo suicídio.

Disposto a tudo para alcançar seus objetivos, Stane logo percebeu que para derrotar seus adversários ele precisava descobrir suas fraquezas, seus desejos e desilusões. Tornou-se um mestre na arte da chantagem e do suborno, conseguindo em pouco tempo enriquecer por meio do tráfico e da produção de armas.

Sem nenhum tipo de trava moral, Stane achou que os estados organizados com suas leis rígidas impediam que ele crescesse ainda mais, dessa forma ele resolveu organizar um encontro entre os maiores produtores de armamento do mundo, com o objetivo de que eles fizessem uma aliança contra os governos que se opusessem a venda de armas, propondo inclusive que os industriais atacassem e tomassem o poder desses países.

Nesta reunião estava presente Tony Stark que se colocou radicalmente contra os planos do vilão frustando-os, é neste ponto que nasce a rivalidade entre os dois.

A vingança de Stane não tardou, ele descobriu que Tony era um alcoólatra e decidiu usar isto a seu favor, contratou uma série de espiões e mercenários para fazerem ataques contra as empresas Stark, além disso ele infiltrou uma mulher entre os funcionários da companhia que devia seduzir Antony e rejeitá-lo para que ele se afundasse de novo na bebida. Tarefa na qual a moça teve sucesso, em seguida Obadiah chega a comprar a Stark International.

Apesar de tudo Stark se recupera e cria uma nova empresa, novamente Obadiah começa a atacá-lo, só que desta vez Tony revida e invade a empresa do vilão como Homem de Ferro, por sua vez Stane utiliza uma versão da armadura de Tony e se torna o Monge de Ferro. A luta entre os dois termina com a vitória do Gladiador Dourado e o suicídio de Stane.

Como Stane deixou um herdeiro é bem provável que no futuro vejamos um novo Monge de Ferro querendo vingança pelo pai.

Imagem

* Dínamo Escarlate

É o nome de diversos vilões que ao longo dos anos assumiram este codinome e invarialvemente atormentaram o Homem de Ferro. O primeiro deles foi o cientista russo Anton Vanko que criou a armadura especial capaz de controlar a eletricidade, após a sua morte mais dez homens já usaram o traje e o nome.

Poderes: O Dínamo original vestia um exoesqueleto que lhe concede proteção e força sobre humana, adicionalmente ele é capaz de voar e de disparar raios elétricos, versões posteriores receberam armamentos mais sofisticados e mortais.

Imagem

* Justin Hammer

Quando Stark decide que sua empresa deve se afastar da produção de armamento bélico, o inescrupoloso empresário Justin Hammer resolve aproveitar a lacuna deixada por Tony e se torna multimilionário vendendo armas ao governo.

Hammer era capaz de qualquer coisa para atingir seus objetivos, em uma disputa entre ele e Tony Stark pela construção de uma usina elétrica no fictício país da Carnélia. Justin consegui que seus cientistas projetassem um aparato que fosse capaz de interferir no funcionamento do Homem de Ferro, o dispotivo foi produzido e Hammer fez com os raios repulsores do herói fossem ativados no momento em que ele escoltava o embaixador da Carnélia matando-o.

Eventualmente o Latinha descobre a tramóia de Hammer e parte em seu encalço, mas acaba capturado pelo vilão, Tony consegue fugir após confrontar uma série de mercenários, contudo não consegue juntar provas contra o empresário rival.

Adicionalmente Stark descobriu que Justin fornecia tecnologia a criminosos baseada nos inventos de Tony, apesar de ter lutado contra o vilão e eliminado as informações que este tinha sobre os projetos ligados ao Homem de Ferro. Ainda hoje Justin permanece na ativa vendendo armas a super vilões e posando como um empresário honesto.

PODERES: Justin Hammer é um humano normal

Imagem

* Homem de Titânio

O primeiro e principal Homem de Titânio foi Boris Bullski. Um homem terrível que era um problema até para os seus conterrâneos russos que o designaram para trabalhar num campo de prisioneiros na Sibéria. Onde descobriu que muitos dos internos tinham trabalhado com Anton Vanko, o primeiro Dínamo Escarlate. Bóris decidiu obrigar estes homens a criarem uma armadura com a qual pudesse derrotar o Homem de Ferro e provar a superioridade tecnológica da URSS e de quebra vencer seus oponentes no governo comunista.

No princípio a armadura era pesada e desajeitada e tudo que Boris conseguiu foi uma série de derrotas nas mãos do Vingador Dourado, mais tarde ele conseguiu a ajuda de outros criminosos e melhorou o desempenho da armadura, contudo continuou a ser vencido pelo Ferroso.

Quando a URSS se desmanchou Boris ficou inconsolado e sua revolta alcançou o ápice quando ele viu que uma filial da Stark Enterprises seria aberta em Moscou. Ele atacou a filial e mais uma vez foi detido pelo Homem de Ferro.

Ironicamente Boris é hoje um mercenário sem pátria e atualmente até já chegou a trabalhar para o seu pior inimigo.

PODERES:

O Homem de Titânio veste um traje que é mais forte e resistente do que o do Homem de Ferro, embora seja mais lento. Adicionalmente ele permite vôo, disparos concusivos com as mãos e a projeção de uma espécie de energia constritiva na forma de anéis que permite paralisar o inimigo.

Imagem

* Temugin

Temugin é o filho do Mandarin que foi deixado pelo pai aos cuidados de um monastério desde a mais tenra idade, onde adquiriu incríveis habilidades de luta. Um dia ele recebeu uma caixa com as mãos decepadas de seu pai e os 10 anéis. A partir deste momento ele passou a caçar o Homem de Ferro, não por ódio, mas pela necessidade de honrar seu pai.

PODERES: Temugin tem os mesmos poderes de seu pai, mas parece ser ainda mais mortal nas habilidades marciais

Imagem

* Ultimo

Trata-se de um robô construído por uma raça alienígena desconhecida, identificado como “a arma de destruição definitiva” em combate é simplesmente o pior inimigo do Homem de Ferro.

Ultimo não existe para nada além de destruir, todas as vezes em que o Latinha o confrontou teve que apelar para soluções como arremessar o robô num vulcão ou contar com a ajuda de seus companheiros vingadores para derrotá-lo. Mas o monstro sempre volta.

PODERES:

Ultimo é praticamente indestrutível e incrivelmente forte, ele pode disparar raios de seus olhos, é capaz de se reativar e se auto consertar e também pode absorver energia que ele utiliza para ampliar seus próprios poderes. Ele também pode aumentar seu tamanho conforme a quantidade de energia que ele absorveu.

Imagem

ARMADURAS

O que seria do Homem de Ferro sem suas armaduras ? A seguir temos uma relação das principais usadas pelo herói dourado.

Mark 1: Original Cinza

É a primeira armadura criada por Stark no período em que estava preso no Vietnã, é bem simples e tosca, conta com a força de 10 homens e resistência a artilharia, conta ainda com um lança chamas e um sistema de propulsão que lhe permite alguns saltos desajeitados. O design dessa primeira armadura é de Jack Kirby

Imagem

Mark 2: Dourada

A segunda armadura era feita de um composto especial que é normalmente flexível, mas que enrijece quando submetido a campos magnéticos. Graças a essa característica, Stark podia guardá-la (fora a placa peitoral, que ele precisava usar o tempo todo) em uma maleta de mão convencional e vesti-la rapidamente em caso de emergência. Praticamente todas as suas armaduras subsequentes seriam construídas com um material similar.

Essa armadura não era muito forte e contava com algumas armas inusitadas, como um martelo que o Ferroso usou em seu primeiro confronto contra o Hulk, também contava com uns “patins” que permitiam que o herói disparesse em alta velocidade (recurso absurdo que o herói ainda utilizaria anos depois), ela tinha como arma fixa um feixe de raios no peito e não voava apenas flutuava usando repulsão magnética. Esta também foi desenhada por Kirby.

Imagem

Mark 3: Clássica Vermelha e Dourada.

Depois de levar uma surra de um vilão chinfrim Tony resolveu criar uma nova versão mais aprimorada surge a Mark 3, já com as cores adotadas pela maioria das versões posteriores. O herói adquiriu um visual mais moderno e definitivamente podia voar, além disso a armadura podia ser recarregada a partir de qualquer fonte de energia disponível. O visual desta foi imaginado por Steve Ditko

Imagem

Mark 5: Clássica

Depois de uma versão com rebites eis que surge a mais clássica e famosa das armaduras a Mark 5, nesta armadura a máscara se ajusta melhor ao traje e pela primeira vez o Homem de Ferro é capaz de utilizar a sua marca registrada: os raios repulsores, que fazem tornaram-se obrigatório desde então.

Esta armadura contava com uma série de melhoramentos e armamento extra, tais como suporte de vida e projetor de campo de força.

Nenhuma armadura foi usada por mais tempo do que essa pelo herói e todas as posteriores se basearam na essência desta. A criação desta armadura se deve a Don Heck, que era o desenhista regular do herói e co-criador da personagem.

Imagem

Mark 7: Centurião Prateado

No período que Jim Rhodes assumiu o manto do Homem de Ferro, porque Tony estava entregue ao álcool, ele teve que lidar sozinho contra uma série de vilões e embora Jim fosse um homem corajoso, ele não contava com o gênio de Tony para continuar atualizando a armadura.

Como resultado a clássica se tornou obsoleta e foi sobrepujada pela do Monge de Ferro, neste meio tempo Tony projetou um novo e avançado modelo chamada de Centurião Prateado.

Essa armadura contava com uma série de avanços: um campo disruptor de aparelhos eletrônicos, um sistema que o tornava invisível a máquinas, um campo de força que podia operar por seis segundos, projetores holográficos, geradores sonoros de alta frequência e a capacidade de se recarregar a partir de uma infinidade de fontes de energia.

Com essa armadura Tony pode derrotar o Monge. Foi criada por Bob Layton e usada até ser detruída durante a Guerra das Armaduras.

Imagem

Mark 8: Nova Vermelho e Dourada

Durante a Guerra das Armaduras Tony Stark teve que confrontar um inimigo chamado Poder de Fogo, um sujeito que era um verdadeiro exército de um homem só armado com com mísseis, canhões de partículas, lasers, granadas e até mesmo um mini míssil nuclear. O vilão arrasou com o ferroso transformado em cacos a armadura do Centurião, o que obrigou Stark a criar uma nova e melhorada armadura.

Surge então a Mark 8 que tinha os recursos da armadura anterior somados a um suporte maior de energia, um sistema interno que permita mira múltipla, um escudo energético projetado na mão esquerda capaz de defletir a maioria dos ataques, um pulso eletromagnético que desativava qualquer sistema eletrônico ao redor, inclusive a própria armadura, raios repulsores mais potentes e jatos plantares com uma tecnologia de vôo mais precisa. Utilizando esta armadura o herói pode vencer o Poder de Fogo.

Essa bela armadura foi inspirada na Clássica obviamente e foi criada por Bob Layton, essa versão era ótima e poderia ter permanecido caso não tivessem avacalhado com as histórias do personagem nos anos 90 e criado uma série de trajes horrorosos.

Imagem

Mark 10: Máquina de Guerra

Tony Stark foi baleado por uma ex-namorada ciumenta, Kathy Dare e desde então ficou paralítico e suas tentativas de melhorar sua situação só agravavam ainda mais seus problemas. Para continuar a agir como Ferroso Tony faz umas alterações na armadura e cria uma versão que podia ser comandada a distância, chamada de Telepresença.

Em determinado momento um grupo de ninjas tecnológicos (tem coisa que só os quadrinhos conseguem imaginar) atacou o Homem de Ferro e para variar destruíram sua armadura. Os caras era imunes aos repulsores de Tony e o fato é que a armadura com telepresença não tinha o mesmo desempenho das que ele próprio vestia.

Muito injuriado com estes ninjas buchas de canhão, Tony Stark fabricou uma nova armadura feia pra dedéu com um arsenal gigantesco, misséis, metralhadoras, canhões, lança-chamas, lâminas laser e uma série de badulaques com os quais massacrou os vilões.

Posteriormente a saúde de Stark piorou e ele teve que sair de cena enquanto realizava um complicado procedimento médico que envolvia que ele passasse por uma sessão de criogenia (o cara foi congelado) para ser mais tarde revivido tão logo os médicos encontrassem uma cura para o seu problema.

Neste período ele deixa seu amigo Jim Rhodes com uma versão da armadura padrão para que este atuasse em seu lugar como Homem de Ferro. Após o retorno de Stark, Jim receberia de seu chefe a armadura do Máquina de Combate. O personagem chegou a fazer parte dos Vingadores da Costa Oeste e teve uma curta série própria duranto os anos 90.

O principal problema desta armadura é que ela não tinha nada a ver com o estilo de Tony Stark e por isso acabou nas mãos de Jim Rhodey (personagem que por seu temperamento e passado militar tinha muito mais a ver com o traje) foi criada pelo desenhista Kevin Hopgood.

Imagem

Mark 11: Armadura Modular

O vilão Ultimo ataca um modelo de telepresença de Tony e para variar mais uma vez a armadura é destruída (nesta época a Marvel começou a gostar desta viadagem de destruir armaduras do Ferroso) e eis que surge a Modular.

Por que este nome? Ora porque este modelo contava com uma idéia muito bacana, diferente das outras armaduras esta podia “encaixar” um módulo especial para cada missão ou necessidade do Homem de Ferro, desta forma o armamento era variado e adequado a cada situação.

Também criada por Kevin Hopgood, ela não durou por que os leitores a achavam feia demais, embora fosse inspirada na clássica vermelha e dourada, e também porque a Marvel não andava contente com o rumo dos gibis e teve uma belíssima idéia para revitalizar seus personagens o que incluía o Homem de Ferro.

Imagem

As Armaduras Xexelentas

Me recuso a comentar muito sobre as monstruosas armaduras dos anos 90. Basta dizer que o Homem de Ferro começou a ter uma série de histórias que envolviam entre outras coisas a sua transformação em vilão e o surgimento de uma versão adolescente dele mesmo(!!!???). É isso mesmo que você leu, uma fase tão boa que é inédita no Brasil (o Senhor seja louvado)

Além dos roteiristas não saberem o que fazer com o personagem, nem os desenhistas sabiam o que desenhar, nesta época as armaduras mudavam o tempo todo e eram horríveis, desproporcionais e pareciam que todas saíam de alguam história de Robinho Liefield.

Grotescas é o melhor adjetivo para elas, cortesia de Tom Morgan e Dave Hoover que são simplesmente os piores artistas que já trabalharam com o Latinha.

Imagem

Imagem

Imagem

Mark 16: Armadura Inteligente

Depois da xexelenta saga “Heróis Renascem”, na qual alguns clássicos heróis da Marvel foram parar numa dimensão alternativa após terem sido dados como mortos nas mãos do vilão Massacre, da qual retornaram um no depois visto que esta porcaria não fez o mínimo de sucesso. Temos um novo Homem de Ferro e consequentemente uma nova armadura.

Um traje que reunia com equilíbrio características dos clássicos e linhas mais dinãmicas e modernas. A armadura possui um sistema de inteligência artificial nunca antes visto em um traje do ferroso, contando com uma série de acessórios e recursos que faziam que ela praticamente nem precisasse de um usuário.

Foi então que numa saga meio chinfrim, a dita cuja ganhou vida própria e quis se livrar de Stark, desesperado o herói utiliza sua velha armadura modular para enfrentar a inteligente, no fim as duas são destruídas.

Este traje foi criado por Sean Chen a partir de esboços de Alex Ross e Allen Bujak.

Imagem

Mark 19: SKIN

Traumatizado pelo ataque da armadura inteligente, Stark pasou um tempo usando trajes mais antigos com menos recursos, mas então Tony decide construir uma versão nova a partir do zero, com um material novo chamado de SKIN, um composto metálico líquido que pode enrijecer até ficar com um grau de resistência similar ao adamantium.

A armadura tinha também um sistema capaz de absorver e redirecionar parte da energia dispendida em ataques contra ela, um projetor de lâminas e escudos de energia, projetores holográficos e um sistema de invisibilidade, além de bombas inteligentes que funcionavam ao mesmo tempo como explosivos e rastreadores.

O problema desta armadura é que era feia demais e que na época o criador dela Sean Chen saiu e comegou um troca-troca de desenhistas, em que cada um desenhava a dita cuja de um jeito diferente. Até que numa batalha contra o vilão Ultron, Tony percebeu que a armadura era vulnerável aos poderes do vilão e a abandonou.

Imagem

Mark 20: Homem de Lata

Pela vigésima vez Stark cria uma nova armadura (Já que estas merdas destes desenhistas nunca acertam ou nunca estão felizes com o resultado) . Desta vez é uma versão bem simples apelidade de Homem de Lata.

Não era grande coisa no começo em especial por causa de uns tubos que ficavam nas pernas e que não aparentavam ter função nenhuma, além de umas ombreiras de futebol americano bem exageradas e finalmente umas joelheiras com três “faróis” que não tinham absolutamente função alguma.

Ela foi criada por Michael Ryan, e era feia pra dedéu! Alguns artistas posteriores quiseram melhorá-la e tiraram os tubos e reduziram as ombreiras feias. Contudo logo que a terceira série do Ferroso foi cancelada, uma vez mais mudaram a armadura do herói.

Esta armadura contava com o armamento básico e tradicional do herói.

Imagem

Mark 21: Extremis

A armadura anterior foi detonada por um vilão que havia sido contaminado pelo Extremis, um nanovírus tecnológico que pode transformar um humano numa espécie de Exterminador do Futuro. Stark resvolveu injetar o tal Extremis em si mesmo, por que não via outra forma de vencer.

Com o Extremis atuando em seu corpo, Tony adquiriu uma limitada capacidade de regeneração, reflexos ampliados, e sua inteligência se tornou ainda mais elevada. Ele também se tornou capaz de se comunicar e controlar máquinas eletrõnicas e por fim de guardar a camada interior da armadura, feita de materiais mais leves e flexíveis, dentro de seu próprio corpo. Mais do que nunca Tony passou a fazer jus a seu codinome.

Os recursos da armadura são os mais tradicionais e conhecidos do herói, contudo a ligação entre o usuário e o traje é melhor que já houve, o que faz com que o Homem de Ferro atue de uma forma nunca vista, dessa maneira, muito embora este não seja o traje mais poderoso em termos de força bruta, é o melhor nas categorias precisão e efetividade.

O traje foi criado por Adi Granov, e na minha opinião, é a melhor armadura em anos. Ela tem um design bastante compacto e dinâmico e parece que desta vez veio para ficar por um bom tempo. Isto se a Marvel não vier com alguma frescura e fazer com que Tony mude de veste outra vez. Aliás nem mulher em dia de festa troca tanto de roupa.

Imagem

Armaduras Especiais

Além de suas armaduras do dia-a-dia, Tony Stark costuma construir modelos para operações bem específicas, dentre estes modelos temos: a armadura espacial para operações nas estrelas, a aquática e a Caça-Hulk criada para confrontos com um certo Golias Verde.

Imagem
Armadura espacial

Imagem
Armadura aquática

Imagem
Armadura para caçar o Hulk

GUIA DE LEITURA

As histórias que você deveria ler…

1. Demônio na Garrafa

Considerada a melhor história do Homem de Ferro e uma das melhores dos quadrinhos. Esta história é especial por retratar Tony Stark no fundo do poço em confronto contra o seu pior inimigo: o álcool. Impagável é o momento em que no melhor estilo shakesperiano Starl discute com o seu elmo sobre seus problemas.

Pode ser conferida no especial: Marvel 40 anos da Panini

2. Guerra das Armaduras

Quando Tony Stark descobre que a tecnologia de sua armadura sofreu espionagem, começa assim uma incessante busca pelos criminosos que fizeram isto, numa tentativa desesperada de evitar que suas criações sirvam para o mal.
Mas, ao contrário do que o milionário imagina, tais atitudes só irão piorar sua atuação como Homem de Ferro assim como sua vida pessoal e ele se vê perdido num emaranhado de situações complicadas que podem acarretar no fim de sua carreira com herói e como homem de negócios.

Um clássico que vai fundo na essência deste herói. Difícil de achar, você pode tentar achar em sebos o encadernado lançado pela Abril jovem.

3. Guerra Civil

Uma mega saga em que o Universo Marvel nunca mais será o mesmo. Após uma tragédia envolvendo um grupo de inconsequentes heróis adolescentes, na qual morreram uma centena de crianças. O governo americano decide que somente os heróis que obedecerem a lei de registro e revelarem sua identidades poderão continuar atuando. Ocorre então um racha na comunidade heróica entre aqueles que apoiam a lei, liderados pelo Homem de Ferro, e os que consideram que a lei fere seus direitos como indivíduos, que são liderados pelo Capitão América.

Apesar de alguns defeitos, como a descaracterização de alguns personagens e algumas resoluções meio apressadas dos conflitos, esta série é bem bacana por realmente trazer alguma inovação para os super-heróis além de mostrar um embate filosófico e físico interessante entre os dois líderes e protagonistas da saga.

Publicada pela Panini em seis partes.

4. Extremis

Tony Stark chegou a uma encruzilhada e precisa repensar sua vida como homem, empresário e super-herói. No entanto, o roubo de uma poderosa e potencialmente letal arma nanotecnológica se mostrará um desafio incomparável para o inventor e seu invencível alter ego… o Homem de Ferro!

Essa história marca o retorno do reformulado Vingador Dourado pelas mãos do premiado roteirista Warren Ellis, acompanhado da arte pintada do ilustrador Adi Granov, em minissérie em três edições lançada pela Panini.

Embora muitos fãs torçam o nariz para os rumos do atual Latinha, vale a pena dar um conferida para se ter uma base de como o personagem é hoje, além disso a história até que apresenta um enredo legal e boa ação.

5. Crash

Mais uma história que divide opiniões, trata-se de uma das primeiras feitas com a tecnologia digital (e por isso mesmo pode parecer meio tosca visualmente).

No futuro, o Homem de Ferro resolve se aposentar e cria um robô idêntico ao herói de lata, capaz de duplicar todos seus movimentos e atuar em seu lugar, a versão definitiva de sua armadura. No entanto, o robô pode copiar muito mais do as habilidades do herói. E Stark precisa agora evitar que a sua tecnologia bélica caia nas mãos da máfia Japonesa.
A história tem um tema muito interessante, mas peca um pouco em sua execução, talvez se deva ao fato de que nasceu como uma espécie de resposta ao Cavaleiro das Trevas da DC (e diga-se de passagem não dá nem para comparar), ainda assim é uma leitura válida e agradável.

Criada por Michael Saenz, ela foi publicada pela Abril Jovem na extinta Graphic Novel#6.

E o que é melhor esquecer…

1. The Crossing

Se um dia você ver a versão em inglês disto (já que alguém teve o bom senso de não publicá-la por aqui) fuja! The Crossing além de ser a pior coisa que já fizeram com o Homem de Ferro é também uma das piores coisa que já fizeram nos quadrinhos.

Na “história” ficamos sabendo que Tony Stark teve a mente dominada pelo vilão Kang anos atrás, e era um agente infiltrado nos Vingadores esperando o momento certo para destruí-los (que foram vários aliás, mas ele preferiu esperar um monte anos, vai entender).

O Evil Tony ataca os seus companheiros e eis que eles decidem valer-se da ajuda de um Tony Stark jovem que ainda não foi dominado por Kang, eles trazem um Tony adolescente através de viagem temporal para enfrentar o velho.

Tony velho cai nar real e se sacrifica para salvar seus colegas em seu lugar permanece o adolescente Toninho que ficaria com sua revista dali em diante pelo menos até…

2. Heróis Renascem

…que os editores da Marvel percebessem a tremenda cagada que haviam feito. Os leitores tinham simplesmente abominado a saga The Crossing e seus efeitos, mas como merda nunca é demais para esses caras, eles tiveram uma “brilhante” idéia.

Resolveram que iriam matar os Vingadores Clássicos e o Quarteto Fantástico no universo normal e que iriam recriá-los do zero num novo universo. Este evento ficou conhecido como Heróis Renascem.

Talvez, apenas talvez, essa idéia poderia ter dado algum bom resultado. Se tivessem escolhido um grupo de artistas bons para encabeçar o projeto, mas não preferiram dar o negócio para dois ícones dos quadrinhos ruins Rob Liefield e Jim Lee.

A reformulação durou apenas um ano e ao final a Marvel reintegrou a turma toda ao universo normal, deixando no Limbo o mundo dos “heróis renascem”

Essa tranqueira chegou a ser publicada no Brasil pela Abril, mas você NÃO vai querer perder seu tempo comprando ou mesmo lendo isto.

Ocorreu um erro neste gadget